Família reconhece relógio e cordão de pescador desaparecido na região

Corpo do pescador Wilson Martins dos Santos foi reconhecido pelo filho mais velho

Com informações do Portal G1

A família do pescador Wilson Martins dos Santos reconheceu que o relógio e cordão encontrados com um dos corpos localizados pela Marinha do Brasil na área de buscas pela lancha que desapareceu no Rio de Janeiro é do cearense. A informação foi confirmada por Renato Marcolino, filho mais velho de Wilson, que viajou ao Rio neste sábado (6) e deve ir ao IML reconhecer o corpo. A família acredita que o corpo é de Wilson.

Segundo Renato, na noite de sexta-feira (5), familiares receberam fotos com objetos que estavam nos dois corpos encontrados e reconheceram um cordão e um relógio que Wilson usava. “Esse relógio e esse cordão ele nunca tirava”, afirmou o filho.

Wilson e mais quatro amigos viajavam de lancha do Rio de Janeiro com destino a Fortaleza. O grupo começou a viagem no dia 26 de janeiro, quando partiu do Iate Clube Guanabara. A embarcação teve uma falha no motor e nas bombas no mesmo dia, segundo a mulher de um dos navegantes, Vitória Magalhães. Então, eles pararam na Urca, ainda no Rio de Janeiro, para fazer os reparos, e partiram do local dois dias depois, em 28 de janeiro.

Após reconhecer os objetos do pai, Renato divulgou um vídeo nas redes sociais informando sobre o ocorrido e agradecendo pelo apoio de todos que acompanharam o caso.

Os dois corpos foram localizados pela Marinha na noite de quinta-feira (4), a 50 km da costa de Cabo Frio, na Região dos Lagos, em uma área próxima ao freezer recolhido nesta terça-feira (3), que apresenta características semelhantes ao que estava a bordo da lancha “O Maestro”. O outro corpo localizado ainda não foi identificado formalmente.

Para fazer a viagem, Renato fez uma campanha nas redes sociais para arcar com os custos. A passagem de ida foi uma doação à família.

Wilson é pescador há mais de 40 anos e a família vive na Praia de Guajiru, no município de Trairi, a 126 quilômetros de distância de Fortaleza. Ele tem esposa e três filhos.

Contato com a família

Antes de desaparecer, Wilson enviou vídeos da viagem para a família. Nos vídeos enviados, Wilson mostra a embarcação e o grupo de amigos que estava com ele no litoral do Rio de Janeiro.

Além dos vídeos, o pescador enviou um áudio para a filha Glécia Marcolino Dos Santos relatando que a viagem atrasou após o barco ter apresentado problema em um dos motores. Ele também afirma “estar tudo em paz, tudo tranquilo”.

“Tinha muito sujo [sujeira] e entupiu tudo. Nós estamos revisando tudo pra a gente não ter problemas mais lá para a frente, mais para longe. Mas está tudo em paz, tudo tranquilo. Nós estamos ainda no Rio de Janeiro, comprando as coisas para resolver por aqui”, disse Wilson no áudio.

Ainda segundo Glécia, o pai foi convidado para a viagem pelo compadre dele, o empresário Domingos Sávio, que está entre os desaparecidos. A família de Wilson tomou conhecimento sobre o desaparecimento da embarcação através da imprensa. A filha conta que seus familiares só tinham contato com a família de Domingos, mas quando ficou sabendo do caso, conseguiu contato com familiares dos demais desaparecidos.