Região Noroeste Fluminense apresenta alto risco para Covid-19

A nova edição do Mapa de Risco da Covid-19 mostra que os municípios : São José de Ubá, Italva, Santo Antônio de Pádua, Itaocara, Natividade, Bom Jesus do Itabapoana, Porciúncula, Itaperuna, Varre-Sai, Miracema, Aperibé e Cambuci e as Regiões Metropolitana I e II passaram a ser classificadas em alto risco para a doença, caracterizado pela bandeira vermelha.

Nessas regiões vivem 75% da população fluminense, com isso o estado passa da bandeira amarela, de baixo risco, para a bandeira laranja, de risco moderado. Segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES), a Região Noroeste foi onde o número de casos teve o aumento mais expressivo: 166,67%. A maior taxa de ocupação de leitos de UTI também está na Região Noroeste: 86,67%.

Nos leitos de enfermaria, a maior ocupação é da Região Metropolitana I, 79,21%. É nela também onde está o menor tempo previsto para esgotamento de leitos de UTI: 9 dias.

Na Região Serrana, o aumento do número de óbitos foi de 50%. Junto as regiões Baía da Ilha Grande e Baixada Litorânea, a Serra está classificada em risco moderado. As demais regiões do Rio de Janeiro – Norte Fluminense, Médio Paraíba e Centro-Sul – estão classificadas em baixo risco, simbolizado pela bandeira amarela.

A décima primeira edição do Mapa foi divulgada nesta quinta-feira (10/12) pela Subsecretaria Extraordinária de Covid-19 e compara as Semanas Epidemiológicas 47 (15 a 21 de novembro) e 45 (1 a 7 de novembro). De acordo com a pasta, a taxa de positividade da doença no Rio aumentou de 24,47%, na análise anterior, para 37,63%. O estado teve uma diminuição de 3,14% no número de óbitos, mas os casos aumentaram 20,77% no período analisado.

A taxa de ocupação de leitos de UTI destinados aos pacientes da Covid chegou a 73,36%, e a de leitos de enfermaria, 62,5%. A previsão de esgotamento de leitos de UTI, que antes era de 30 dias, reduziu para 19 dias. Esses são os seis indicadores usados no cálculo para a classificação.

A classificação em bandeira vermelha indica que, além das medidas da bandeira laranja, deve-se suspender as atividades econômicas não essenciais definidas pelo território, avaliando cada uma delas; e definir horários diferenciados nos setores econômicos para reduzir aglomerações nos sistemas de transporte público.

A bandeira laranja é indicação de que precisam ser cumpridas todas as medidas de distanciamento social já adotadas na bandeira amarela, além das medidas adicionais: suspensão de atividades escolares presenciais; proibição de qualquer evento com aglomeração, conforme avaliação local; adoção de distanciamento social no ambiente de trabalho, conforme avaliação local; avaliação da suspensão de atividades econômicas não essenciais, com limite de acesso e tempo de uso dos clientes, conforme o risco no território; e avaliação da adequação de horários diferenciados nos setores econômicos para reduzir aglomerações nos sistemas de transporte público.