Siprosep quer discutir cortes de direitos do funcionalismo com vereadores

Presidente do Siprosep, Elaine Leão

O Sindicato dos Profissionais Servidores Públicos Municipais de Campos (Siprosep) quer convencer vereadores a não aprovarem projetos de lei que atinjam remuneração e direitos do funcionalismo. Para isso, a entidade vai promover um ato em defesa dos servidores na frente da Câmara Municipal, às 15h desta terça-feira (25).

A iniciativa acontece em paralelo à articulação do prefeito Wladimir Garotinho (PSD) para votar um pacote de medidas de austeridade que incluiria cortes estariam as gratificações, adicionais de insalubridade e adicionais de substituição dos servidores públicos.

No sábado, Wladimir usou suas redes sociais para informar que o Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) notificou a Prefeitura de Campos por ter extrapolado o limite de gastos com folha de pagamento do funcionalismo público.

Segundo o Siprosep, porém, o inchaço na folha de pagamento dos servidores é decorrente do pagamento de horas extras cumpridas em função da pandemia.

“Nós queremos ser ouvidos pelos vereadores antes da votação. O governo diz que a folha de pagamento precisa ser reduzida. Mas a folha de pagamento aumentou porque os servidores que continuaram trabalhando na pandemia precisaram fazer muitas horas extras. Tivemos muitos casos de servidores com comorbidades e muitos que tiveram Covid também. Então, quem continuou trabalhando teve que fazer muita hora extra e, por isso, houve inchaço da folha. Agora, estão utilizando esse inchaço causado pela pandemia para cortar direitos dos servidores”, alegou a presidente do Siprosep Elaine Leão.

Ainda segundo Leão, os servidores estão há anos sem reajustes. “Estamos há seis anos com salários congelados e não podemos aceitar essas medidas. Nós não fomos ouvidos pelo prefeito antes, mas queremos ser ouvidos pelos vereadores antes da votação”, afirmou a presidente do Siprosep.

Fonte: Terceira Via